Precisa de mais informações?

Estamos aqui para ajudá-lo. Entre em contato por telefone, email ou redes sociais.

  • Black Facebook Icon
  • Black Twitter Icon
  • Black LinkedIn Icon
end_rodape_edited_edited_edited.jpg

© 2017 por EPV Consulting

Buscar
  • Wellington Nobre

Como copiar e alterar TES - Protheus

Atualizado: 24 de Jul de 2020

TES significa Tipo de Entrada e Saída, se referem a códigos usados no pedido de venda para identificar o tipo de transação que será feita entre a empresa e um cliente ou fornecedor.


Códigos

000 a 500: Usados para Entrada

501 a 999: Usados para Saídas


No vídeo abaixo demonstramos como podemos copiar TES e alterá-la, isso pode ser bastante utilizado pelo fiscal e o faturamento na medida que já existe um código bem parecido com um novo solicitado onde vão aparecendo diferentes situações onde é necessário ter uma porcentagem de IPI diferente, ou deixar de creditar ICMS, não gerar duplicatas, entre outros casos que podem ser avaliado até com a contabilidade na finalidade de não ter problemas com alíquotas errôneas e usando as numerações incorretas.





Observem sempre com cuidado todos os campos, mesmo não sendo obrigatório podem afetar em como a operação será entendida.



No TES devem ser informados os códigos fiscais, cujo primeiro dígito indica o tipo de transação (dentro ou fora do Estado Fiscal):

1 – Entrada de material de origem interna ao estado do usuário. 2 – Entrada de material de origem externa ao estado do usuário. 3 – Entrada de material de origem externa ao país. 5 – Saída de material para comprador dentro do Estado. 6 – Saída de material para comprador fora do Estado. 7 – Saída de material para comprador fora do país.


O segundo e terceiro dígitos indicam tipo de operação e material:

11 – Compras/Vendas para industrialização. 12 – Compras/Vendas para comercialização. 13 – Industrialização efetuada por outras empresas. 14 – Material para utilização de prestação de serviços (E). 21 – Transferência para industrialização. 22 – Transferência para comercialização. 23 – Transferência para distribuição de energia elétrica. 24 – Transferência para utilização da prestação de serviços. 25 – Transferência de produto do estabelecimento que não deva transitar pelo estabelecimento depositante. 26 – Transferência de mercadoria adquirida ou recebida de terceiros que não devam transitar pelo estabelecimento depositante.


Entradas 31 – Devoluções de vendas de produção própria de terceiros e/ou anulações de serviços. 32 – Devoluções de vendas de mercadorias adquiridas e/ou recebidas de terceiros. 33 – Anulação de valores relativos à prestação de serviços. 34 – Anulação de valores relativos a comercialização de energia elétrica.


Saídas 31 – Devoluções de compras para industrialização. 32 – Devoluções de compras para comercialização. 33 – Anulação de valores relativos a serviços. 34 – Anulação de valores relativos a comercialização de energia elétrica.


Entradas 41 – Comercialização de energia elétrica para distribuição. 42 – Comercialização de energia elétrica para utilização no processo industrial. 43 – Comercialização de energia elétrica para consumo no comércio para entradas. 44 – Comercialização de energia elétrica para prestação de serviços.

Saídas 44 – Comercialização de energia elétrica para consumo rural. 45 – Comercialização de energia elétrica para não contribuinte. 51 – Compra de serviços telefônicos para distribuição. 52 – Compra de serviços telefônicos para utilização no processo industrial. 53 – Compra de serviços telefônicos para consumo no comércio. 54 – Compra de serviços telefônicos para prestação de serviços. 55 – Compra de serviços telefônicos pela distribuidora de energia elétrica.


Entradas 61 – Compra de serviços de transporte para serviços de mesma natureza. 62 – Compra de serviços de transporte para utilização no processo industrial. 63 – Compra de serviços de transporte para consumo no comércio. 64 – Compra de serviços de transporte para prestação de serviços telefônicos. 65 – Compra de serviços de transporte pela distribuidora de energia elétrica saídas.


Saídas 61 – Venda de serviços de transporte para serviços de mesma natureza. 62 – Venda de serviços de transporte para contribuinte. 63 – Venda de serviços de transporte para não contribuinte.


Entradas 91 – Compra de ativo fixo e/ou material de consumo. 92 – Transferência de ativo fixo e/ou material de consumo. 93 – Entrada de material para industrialização por encomenda. 94 – Retorno simbólico de insumos utilizados na industrialização por encomenda. 95 – Retorno de remessas para vendas fora do estabelecimento. 99 – Outras entradas e/ou aquisições de serviços não especificados.


Saídas 91 – Venda de ativo imobilizado. 92 – Transferência de ativo fixo e/ou material de consumo. 93 – Saída de material para industrialização por encomenda. 94 – Remessa simbólica de insumos utilizados na industrialização por encomenda. 95 – Devolução de compras para o ativo imobilizado e/ou material de consumo. 96 – Remessas para vendas fora do estabelecimento. 99 – Devolução de compras e/ou prestação de serviços não especificados.

Maiores informações, consultar o Ajuste SENIEF nº 03 de 24/09/94, DOU de 05/10/94.


Fontes:

https://www.confaz.fazenda.gov.br/legislacao/ajustes/1994/AJ_003_94

https://iv2.com.br/blog/?p=594


24 visualizações0 comentário